Blog

Tenho medo de sentir dor durante a aplicação dos vasinhos…

Tenho medo de sentir dor durante a aplicação dos vasinhos…

Aplicação de vasinhos, dói?

Para ser bem franca e não fugir ao ponto: sim, é a resposta. Que pena! Você buscou na rede e clicou aqui com esperança de encontrar uma ajuda…

Vamos caminhar juntos neste texto, um pouco mais, e posso afirmar que há esperança para você que tem pânico de dor ou fobia de agulhas.

Antes de tudo, queremos explanar o assunto com clareza e não dissimular um fato real: a dor inibe muita gente na hora de pensar em um tratamento médico, especialmente o tratamento dos vasinhos nas pernas.

Nossos leitores habituais já sabem, mas não custa reforçar o conceito do que são vasinhos e que o tratamento conhecido popularmente como aplicação de varizes, tem o nome técnico de escleroterapia.

Para saber mais sobre como classificamos as veias doentes quanto ao porte e à repercussão clínica, clique em Você saberia dizer qual o seu grau de varizes? Ou melhor, você tem varizes ou “vasinhos” ou veias? Saiba quais são as classes de doenças de circulação venosa pela CEAP

Para saber mais sobre a escleroterapia, clique em Conheça 7 tecnologias para o combate de vasinhos e varizes

Mas, nosso tópico hoje é a possibilidade de sentir de dor durante o tratamento e o medo ou mesmo, pânico que isso gera em algumas pessoas.

Queremos tentar chegar a um esclarecimento tal, que possa dissipar o medo e encorajar a busca do tratamento.

Há solução para a dor durante a aplicação de vasinhos?

Se a resposta à primeira pergunta foi sim, a resposta a esta segunda pergunta também é sim! Que alívio!!!

Embora haja variação individual no limiar de dor, ou seja, uns sentem dor mais facilmente que outros, temos recursos para amenizar a dor em todos os pacientes.

O desafio da dor na medicina é imenso e onipresente. Grandes desafios foram superados no decorrer dos séculos, prova disso é o surgimento da especialidade da Anestesiologia.

Além da anestesia como procedimento auxiliar no tratamento cirúrgico, temos um arsenal químico de analgésicos potentes e  também recursos físicos como baixar a temperatura.

O gelo tem sido usado para restringir a inflamação e a dor a ela inerente, bem como para reduzir a sensação do estímulo doloroso.

Os analgésicos diminuem a condução do estímulo doloroso e têm papel fundamental nos tratamentos médicos, em geral.

Já os agentes anestésicos bloqueiam de forma mais acentuada a sensação de dor. Podem, até mesmo, bloquear a função motora.

Embora o ato de secar os vasinhos promova uma lesão dolorosa, contamos com diversos métodos que combatem a dor, durante o processo.

Quais os métodos para combater a dor durante a aplicação de vasinhos?

  • Medicamentos:

Como dissemos, os medicamentos utilizados para combater a dor durante a escleroterapia são os analgésicos e os anestésicos.

Os analgésicos podem ser tomados via oral, cerca de uma hora antes do início do tratamento. Os anestésicos podem ser aplicados topicamente, na pele ou injetados junto com o remédio que secará a veia.

Damos preferência à injeção do anestésico juntamente com o agente esclerosante, pois a mesma punção que trata o vaso irá servir para conduzir o anestésico que alivia a dor.

  • Resfriamento da pele:

O resfriamento cutâneo é uma arma muito útil para o Angiologista. No tratamento com Laser, é essencial para a proteção da pele do aquecimento provocado pela energia do Laser.

Trata-se de um aparelho que sopra ar geladíssimo sobre a pele, constantemente, durante o tratamento.

Na aplicação dos vasinhos, o resfriamento cutâneo reduz a sensibilidade, atenuando o desconforto das injeções.

  • Sedação e analgesia venosa sob o cuidado do médico Anestesiologista:

Existe a possibilidade de fazer o tratamento de aplicação de vasinhos, a escleroterapia, sob sedação e analgesia venosa. Nessa hipótese, o médico Anestesiologista deve participar do procedimento.

O consultório deve dispor de todos os equipamentos necessários, como oxigenoterapia e estrutura para acesso venoso contínuo.

Embora a participação do Anestesiologista seja uma exceção durante a escleroterapia, não podemos abrir mão dessa possibilidade para alguns pacientes mais sensíveis.

Conclusão

Espero que esse post tenha ajudado você a dar o passo que falta para o tratamento dos seus vasinhos. Se restar alguma dúvida, entre em contato e deixe sua pergunta ou seu comentário.

Sobre o tema varizes e vasinhos, você pode ler mais a respeito no site da Sociedade Mineira de Angiologia e Cirurgia Vascular http://sbacvmg.com.br/site/varizes/

Se você gostou deste conteúdo, curta abaixo e compartilhe nas redes sociais, agradecemos sua visita!

 

 

Postado em: Informativo

Deixe um Comentário (0) →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

AGENDE SUA CONSULTA