Blog

O que as microvarizes têm a ver com meu comportamento social?

O que as microvarizes têm a ver com meu comportamento social?

5 (100%) 1 vote

O que as microvarizes têm a ver com meu comportamento social?

 

Introdução

Em primeiro lugar, se este é o primeiro texto que você está lendo em nosso site, queremos lembrar que ele faz parte de uma série, iniciada com o post:

Quem me dera poder tratar as microvarizes e ter pernas atraentes, mas&#8230

Certamente, se você clicar nele, lerá um resumo das 7 objeções que impedem que as pessoas que têm microvarizes ou vasinhos busquem tratamento.

Antes de tudo o mais, agradecemos aos mais de 10 mil visitantes estiveram em nosso site no mês de agosto. E também a você, que fará parte dos leitores de setembro, obrigada, por sua confiança!??????????

No último post, trouxemos dicas para a solução de 2 problemas relativos aos vasinhos/microvarizes: o desprezo ? (considerá-los um probleminha sem maiores consequências) e a procrastinação? (quero tratar, mas não agora… depois…).

Da mesma forma, falaremos hoje do problema social e dicas para a sua solução. Siga lendo.

Microvarizes, elas tiram a minha liberdade??

Com certeza, se você leu nosso último post Microvarizes: nao subestime o problema!, deve se lembrar das 3 perguntas que fizemos e que demos  SIM!, a cada uma delas.

  1. Microvarizes: constituem uma doença?
  2. Microvarizes: causam sintomas?
  3. Microvarizes: afetam a estética?

Sendo assim, vamos hoje pensar um pouco sobre o desejo de todo o ser humano por estar saudável, confortável e bem apresentável. Qualquer um e todos queremos isso.

Ao contrário, se temos um distúrbio qualquer, se não nos sentimos bem física e psicologicamente e ainda, se algo prejudica a nossa aparência, tendemos a nos esconder.

Nem sempre, essa atitude é premeditada e consciente. Pode ser que, ao ler a pergunta acima, “microvarizes, elas tiram a minha liberdade?” , você tenha dito: NÃO!!!

De igual forma, nem todas as pessoas terão sua liberdade tolhida por causa dos vasinhos/microvarizes. Não deveria ser assim, mas, estamos falamos de gatilhos mentais, mecanismos subconscientes que afetam todos nós.?

Antes de responder por impulso, pense um pouco. Você tem liberdade para usar bermudas, saias, chinelos, enfim, roupas e calçados que exponham pernas e pés? Ir à praia, ao clube, passear na praça, num dia quente, com trajes adequados?

Digno de nota aqui é salientar o propósito de nossa abordagem, auxiliar você na identificação do problema, com vistas à solução. Tudo isso, baseados em mais de 20 anos de experiência em cuidar de pessoas, especialmente com esse problema.

Por essa razão, peço agora que você feche os seus olhos e pense na primeira coisa que faria se, por um ato de mágica, todo e qualquer vasinho anormal ou todas as microvarizes desaparecessem.

Pensou num lugar aberto? um jardim? uma praia? ? um país com lugares paradisíacos? Você estava de terno e gravata? Como eram seus trajes? Coberto dos pés à cabeça? Meias? Calçados fechados?

Microvarizes, elas estão mais à vontade do que eu!

Da mesma forma que no post anterior, daremos 3 dicas simples, mas eficazes, se é que você se conscientizou da falta de liberdade que as microvarizes podem causar em muitas pessoas:

  1. ENCARE O PROBLEMA COMO PROBLEMA. Antes do tratamento, um diagnóstico, antes da solução, uma causa. Se tenho uma doença, devo buscar a cura. Se não for urgente, posso me planejar, mas tenho de resolver.
  2. COMECE A ANDAR, DEPOIS, CORRA. Em síntese, antes de dar um fim às microvarizes, adote medidas que irão melhorar o fluxo de sangue em todas as veias, essas práticas estão descritas em nosso EBOOK?capítulo 2, PÁGINA 12: https://portal.claudiasathler.com
  3. ASSIM QUE POSSÍVEL, PROCURE UM ANGIOLOGISTA. As 2 dicas anteriores cabem somente a você. Ao procurar o angiologista, você agregará um apoio inestimável e ajuda para algo que não pode fazer sozinho: eliminar as microvarizes.?

RESUMO

Finalmente, pode ser que, hoje, você tenha entendido que as microvarizes estão usurpando sua liberdade, seu bem estar e sua alegria.

Atribui-se a JUNG esta frase: “A felicidade perderia seu significado se não fosse equilibrada pela tristeza”.

Esperamos ter contribuído, nao somente para essa compreensão, mas para você dar os primeiros passos em direção à porta de saída. EXIT!!!

Se você gostou desse conteúdo, volte ao início e avalie com 5 estrelinhas! Curta e compartilhe!?

Queremos também que deixe o seu comentário e sugestão de qual assunto você gostaria que abordássemos aqui. Abraço!

 

Postado em: Informativo

Deixe um Comentário (0) →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

AGENDE SUA CONSULTA